Translating Words, Interpreting Events

A exterminação silenciosa dos “cães cristãos” do Iraque

Print Friendly

Original em inglês: The Silent Extermination of Iraq’s ‘Christian Dogs’

Na semana passada, um acadêmico muçulmano iraquiano emitiu uma fatwa que, entre outras barbaridades, afirma que “é lícito derramar o sangue dos cristãos iraquianos.” Incitante como a “fatwa” é, também é redundante. Enquanto o ataque à igreja em Bagdá de outubro passado, que matou cerca de sessenta cristãos, é amplamente conhecido – realmente recebendo maior cobertura da mídia mainstream -, o fato é, a vida cristã no Iraque tem sido um inferno desde que as forças dos EUA derrubaram Saddam Hussein em 2003.

Entre outras atrocidades, decapitação e crucificação de cristãos não são ocorrências irregulares; mensagens dizendo “vocês, cães cristãos, saiam ou morram”, são típicas. Islamitas veem a igreja como um “ninho obsceno de pagãos” e ameaçam “exterminar cristãos iraquianos”John Eibner, CEO da Christian Solidarity International, resumiu bem a situação em uma recente carta ao presidente Obama:

A ameaça de extermínio não é vazia. Desde o colapso do regime de Saddam Hussein, mais da metade da população cristã do país foi forçada pela violência a procurar refúgio no estrangeiro ou a viver longe de suas casas como pessoas deslocadas internamente. De acordo com a Organização de Direitos Humanos Hammurabi, mais de 700 cristãos, incluindo bispos e padres, foram mortos e 61 igrejas foram bombardeadas. Sete anos após o início da Operação Liberdade Iraquiana, o arcebispo Louis Sako, de Kirkuk, relata: “Quem não é muçulmano no Iraque é um cidadão de segunda classe. Muitas vezes é necessário converter ou emigrar, senão corremos o risco de ser mortos”. Esta violência anti-cristã é sustentada por uma cultura generalizada de supremacia muçulmana que se estende muito além daqueles que puxam os gatilhos e detonam as bombas.

A grande ironia, é claro, é que a perseguição aos cristãos aumentou exponencialmente sob a ocupação dos EUA. Como disse um alto funcionário do Vaticano, os cristãos, “paradoxalmente, estavam mais protegidos sob a ditadura” de Saddam Hussein.

O que se faz disto – que, no tempo de Saddam, que era famoso por violações dos direitos humanos, os cristãos eram melhores do que eles estão sob um governo democrático promovido pela humanitária, alguns diriam “cristã”, América?

Como um califa de Bagdá, Saddam parece ter feito uso dos cristãos mais educados, que não representavam nenhum risco para o seu governo, como seu grande confidente Tariq Aziz. Além disso, mantinha um controle rígido sobre os islamitas de sua nação, que o odiavam como um apóstata secular não menos do que os cristãos -, os últimos beneficiados indiretamente.

Por outro lado, ao dar poder “ao povo”, os EUA têm involuntariamente desfeito a minoria cristã do Iraque. Ao ingenuamente projetar valores ocidentais nos muçulmanos, a liderança dos EUA continua a pensar que o “poder popular” irá, naturalmente, culminar em uma sociedade liberal e igualitária, apesar de todas as provas em contrário. O fato é que, no mundo árabe/muçulmano, “o governo da maioria” significa tradicionalmente dominação pela maior tribo ou seita; cada vez mais, isso significa dominação islâmica.

Seja de que maneira, as minorias – notavelmente os cristãos indígenas – são os primeiros a sofrer de uma vez que o gênio de “poder popular” é explosivo. De fato, as evidências indicam que os EUA apoiaram o governo “democrático” do Iraque, que permite e incita a perseguição de seus cristãos. (Tudo isso levanta a questão crucial: Tiranos de mão de ferro como Saddam, Mubarak, Kadafi, et al- criam sociedades brutais, ou sociedades brutais naturalmente criam a necessidade de tiranos de mãos pesadas manterem a ordem?)

Outro indicador de que a emancipação das massas muçulmanas iguala ao sofrimento cristão é o fato de que, embora cristãos iraquianos perfazem apenas cinco por cento da população, eles compõem quase 40 por cento dos refugiados em fuga do Iraque. É o mesmo no Egito: “Um número crescente dos 8 a 10 milhões de cristãos coptas do Egito está procurando uma maneira de sair, porque os islamistas cada vez mais tiram proveito da revolução nacionalista que derrubou o antigo ditador Hosni Mubarak, em fevereiro”.

É claro que, enquanto a revolução do Egito foi interna, a perseguição de cristãos no Iraque é um subproduto direto da intervenção dos EUA. Mais irônico tem sido a abordagem de Obama. Justificando a sua decisão de intervir na Líbia, em termos humanitários, o presidente disse recentemente que, enquanto “é verdade que a América não pode usar os nossos militares sempre que ocorre a repressão … isso não pode ser um argumento para nunca agir em nome do que é certo”.

É verdade, realmente. Ainda, mesmo como Obama “age em nome do que é certo”, fornecendo proteção militar para a oposição da Líbia ligada à Alcaida, os cristãos indígenas do Iraque continuam a ser exterminados, bem debaixo do nariz dos militares dos EUA no Iraque. Você vê, em sua tentativa em curso para ganhar os muito cobiçados mas sempre fugazes “corações e mentes dos muçulmanos” - com que Obama atarefou a NASA - a liderança dos EUA ignora o tratamento desumano dos “cães cristãos” do Islão, a simples menção de que tende a perturbar os muçulmanos.

Subscribe and Get Connected

Enter your email to subscribe for free updates and get the latest content to your email.